Assine nossa newsletter

Liderança humanizada requer flexibilidade e empatia

Quando pensamos na cultura de um país, logo vêm à mente seus costumes, suas crenças, a gastronomia, a música e como as pessoas agem e se relacionam. Mas nessa lista também entra a forma como as pessoas trabalham

Estudos já apontaram que a cultura organizacional brasileira tem traços de personalismo, forte hierarquia e também do famoso jeitinho.

O personalismo pode ser entendido como afetividade. Frequentemente, os colegas se tornam amigos. Pare e pense: quantos dos seus amigos você conheceu no trabalho?

No caso do jeitinho brasileiro, o planejamento pode dar lugar ao improviso porque tendemos a ser menos metódicos e disciplinados. Mas, com criatividade e agilidade, acabamos encontrando maneiras de resolver os problemas. 

Por incrível que pareça, essas características podem ser benéficas para quem deseja exercer a liderança de forma humanizada, porque esse estilo de gestão é baseado em empatia, acolhimento e flexibilidade. 

Qual é o conceito de liderança?

O termo ‘liderar’ vem do inglês arcaico “laeden”, que significava “chefiar, guiar”. Por muito tempo, o conceito se limitou ao ato de comandar, com a autoridade sendo exercida pelo medo, conforme o lugar de cada um na hierarquia. 

Gradativamente, a definição de líder se desvinculou da ideia de chefe, embora as duas coisas possam, na prática, se misturar. 

Os postos de chefia são definidos formalmente, tendo como principais atribuições direcionar e supervisionar o trabalho dos subordinados. Para obter resultados, os que se comportam apenas como chefes pressionam a equipe e fazem cobranças frequentes. 

Já o líder é visto como aquele que tem a capacidade de conduzir um grupo para determinados resultados pela cooperação e respeito. Pessoas com esse perfil não necessariamente possuem cargo de gestão. 

Enquanto o chefe manda, o líder inspira. O chefe está focado em controlar os processos e fazer com que suas ordens sejam obedecidas. O líder consegue naturalmente influenciar os colegas ao mostrar que estão todos juntos em torno de um objetivo comum.  

Liderança humanizada: o que é?

O conceito de liderança está sempre passando por transformações diante do contexto. A pandemia da Covid-19, por exemplo, direcionou as atenções dos líderes para as necessidades individuais de cada integrante da equipe.  

Com toda a tensão causada pelos períodos de distanciamento, o medo da infecção pelo coronavírus e a repentina adoção do home office, os gestores tiveram que se reinventar para coordenar suas equipes.

Nesse processo, algumas características associadas à liderança humanizada ganharam maior relevância. 

A condução dos times teve que ser exercida com mais empatia e solidariedade. O bem-estar físico e emocional dos colaboradores passou a ser ainda mais importante.  

“Um líder humanizado busca, sobretudo, dar segurança psicológica ao seu time. Isso significa, em primeiro lugar, cada um poder ser quem verdadeiramente é. Há respeito e compaixão. O gestor se interessa pelo colaborador e busca apoiá-lo quando algo não vai bem”, afirma Sarita Vollnhofer, responsável pela área de pessoas da Alice

A profissional acrescenta que ser um líder disponível e flexível em momentos difíceis não tem nada a ver com a imagem do “chefe bonzinho” que quer agradar todo mundo. 

Segundo ela, o líder humanizado busca adaptar processos e atividades às necessidades da equipe, principalmente quando as circunstâncias exigem, mas sem deixar de zelar pelo alcance de metas. 

Eventuais cobranças de resultados são feitas de maneira assertiva. O líder busca se comunicar com clareza ao orientar o grupo, mas também dá autonomia.

“A co-responsabilidade de cada integrante do time precisa ser estimulada. Cada um tem que pensar o que pode fazer individualmente para que todos alcancem os objetivos”, destaca Vollnhofer. 

Gestão humanizada é diferente de permissividade

Ao invés de se distanciar dos colaboradores para não demonstrar vulnerabilidade, o líder humanizado busca estar perto deles.

Além disso, compartilha informações com regularidade para ampliar a transparência e permitir que os membros da equipe tomem as melhores decisões nas atividades diárias. 

Essa proximidade, vale reforçar, não tem a ver com permissividade, que ocorre quando o chefe, na intenção de ser querido, atende todo tipo de pedido ou releva falhas com muita frequência. 

Diante de situações como essas, o líder humanizado pratica a escuta ativa e procura encontrar, junto com o colaborador, maneiras de corrigir o que foge à postura profissional esperada. 

No caso de um colaborador que sempre pede para sair mais cedo, por exemplo, pode ser necessário adequar o horário de trabalho devido a um problema pessoal ou redistribuir tarefas para que ele não fique ocioso.

Esse acompanhamento atento também ajuda o gestor a promover o desenvolvimento da equipe.

Se um integrante, em um contexto hipotético de vendas, com frequência solicita autorização para fazer concessões a um determinado cliente, pode ser um sinal de que ele precisa adquirir habilidades em negociação. 

Seja estimulando a capacitação técnica ou oferecendo feedbacks que levem a mudanças de comportamento, a intenção do líder humanizado é fazer com que cada um encontre sua melhor versão.

10 características de líderes humanizados

  1. Enxergam os colaboradores como pessoas com sentimentos e particularidades;
  2. Comunicam-se bem com os integrantes da equipe;
  3. Alinham os processos aos perfis profissionais;
  4. Dão autonomia para a execução das tarefas;
  5. Ficam atentos às necessidades dos colaboradores;
  6. Buscam integrar equipes e promover a cooperação;
  7. São disponíveis e flexíveis em momentos difíceis;
  8. Impulsionam o desenvolvimento dos colaboradores;
  9. Buscam resultados sustentáveis em que todos são protagonistas;
  10. Praticam o autoconhecimento e a autoavaliação.

O líder humanizado lidera a si mesmo 

Na teoria, o líder humanizado é equilibrado, empático, disponível, flexível, solidário, justo e ainda consegue obter resultados sustentáveis. 

Na prática, nem sempre essas qualidades se manifestam naturalmente, como parte da personalidade. Mas, calma, é possível desenvolvê-las!   

O ponto de partida para se tornar um líder mais humanizado é ter a consciência de que as relações humanas são a base das atividades profissionais.

Ao compreender a dinâmica da convivência entre as pessoas, o líder adquire um papel estabilizador, principalmente quando há eventuais disputas ou discordâncias na equipe.

Outro princípio é enxergar cada colaborador como pessoa, com sentimentos e particularidades

E essa mesma percepção vale para o líder, que precisa olhar para dentro, também como ser humano, na tentativa de compreender suas próprias emoções. 

Com muita reflexão para ampliar o autoconhecimento, é possível identificar fraquezas, forças, modelos mentais, propósitos e sentidos. 

A partir daí, a vontade genuína de aprimorar o que pode ser mudado transpõe o âmbito individual e começa a se refletir na esfera coletiva. 

“A busca pela humanização tem que ser verdadeira, não pode ser forçada. A relação de parceria entre os integrantes de uma equipe é construída aos poucos, com o foco sendo direcionado para a cooperação pelas atitudes do líder. E um time mais feliz e saudável vai gerar mais resultados”, finaliza Sarita Vollnhofer.

Explore estas Tags

trabalho

Porque plano de saúde já não é mais suficiente.

Artigos Relacionados

Serie Wecrashed lições empreendedorismo

Felicidade no Trabalho

4 lições de empreendedorismo da série ‘WeCrashed’

24/06/2022 • 5 min de leitura

Pessoa segura caixa com pertences do trabalho

Felicidade no Trabalho

O que é Great Resignation e quais são as causas dessa onda?

10/06/2022 • 5 min de leitura

Felicidade no Trabalho

Como medir a felicidade e o bem-estar no trabalho?

09/06/2022 • 8 min de leitura

Salário Emocional

Felicidade no Trabalho

Salário emocional: os aspectos do trabalho que impactam no bem-estar

07/06/2022 • 5 min de leitura