Assine nossa newsletter

A coragem de ser imperfeito para liderar: as lições de Brené Brown

Abraçar a vulnerabilidade e valorizar as conexões humanas são fundamentais para a liderança atual.

Brene-Brown-coragem-imperfeito

“Pessoas, pessoas, pessoas”. Repetir a palavra “pessoas” para si mesma várias vezes antes de entrar no palco é uma das estratégias da escritora norte-americana Brené Brown para conter o nervosismo antes de uma palestra. 

Foi o jeito que ela encontrou para sempre ter na cabeça que vai falar com seres humanos e não com os títulos e os cargos dos profissionais que estão na plateia.

Pode parecer surpreendente que mesmo ela, que já foi assistida por milhões de pessoas {literalmente} por causa do TED Talk “The Power of Vulnerability”, ainda não suba em um palco sem aquele frio na barriga e fale abertamente sobre isso.

Mas abraçar a vulnerabilidade é o principal ensinamento da professora da Universidade de Houston, que pesquisa o tema há mais de duas décadas. Autora de best-sellers como “A Coragem de Ser Imperfeito” e “Mais Forte do que Nunca”, seus estudos são referência em assuntos como vergonha, coragem e empatia.

E ela defende que trabalhar essas emoções é fundamental para as lideranças de hoje em dia. 

Por isso, com base nos livros, vídeos, entrevistas e podcasts, fizemos uma seleção de insights da autora para quem deseja comandar equipes de alta performance ou influenciar pessoas com coragem, propósito e confiança. 

A coragem para liderar

Brown explica que a maior parte dos líderes tem medo de se expor ou de errar. Mas o problema é que esse receio impede que as grandes ideias e projetos sejam aperfeiçoados ou postos em prática.

A partir de milhares de entrevistas, a autora concluiu que não há pessoas suficientes assumindo riscos inteligentes ou criando e compartilhando ideias ousadas.

Por medo das críticas, a maioria prefere deixar as coisas como estão e seguir o pensamento de grupo. 

Porém, para atender demandas em constante evolução, é preciso ter coragem de ser vulnerável. Isso significa deixar de lado a ideia de vencer ou perder e ter clareza de que, ao fazer algo novo, não é possível prever ou controlar o resultado. 

A pesquisadora ressalta que a vulnerabilidade não tem a ver com fraqueza, mas com incerteza, risco e exposição emocional.

Ela explica melhor: “Se você vai ousar grandemente, você vai tomar porrada em algum momento. Agir com coragem é também conhecer o fracasso, a decepção, o revés e até a desilusão”, diz Brown em “A Coragem Para Liderar”.

Ilustração para matéria sobre Brene Brown e a coragem de ser imperfeito

Transparência e autenticidade

No topo da lista de obstáculos em diversos trabalhos, está a dificuldade em estabelecer relacionamentos verdadeiros e transparentes no ambiente profissional. 

Segundo Brown, muitas pessoas em posição de liderança evitam conversas difíceis e têm dificuldade em dar feedbacks honestos e produtivos. Frequentemente, a ideia de ser simpático e educado é usada como desculpa. 

Só que as consequências dessa postura incluem falta de clareza e a redução da confiança e do comprometimento. Além disso, comportamentos problemáticos tendem a crescer, levando ao aumento de intrigas e fofocas. 

E são justamente essas situações que tomam boa parte do tempo e da energia das lideranças. Em vez de estarem focados no aprimoramento do time e no alcance de resultados, muitos gestores acabam ficando empacados ao resolver contratempos, esclarecer decepções e gerenciar conflitos.  

“Eu defino líder como alguém que assume a responsabilidade de encontrar potencial em pessoas e processos, e que tem coragem de desenvolver esse potencial”, descreve Brené Brown em um podcast sobre o tema

Para estabelecer vínculos e propósitos comuns, a coragem deve ser desenvolvida como habilidade. As conversas precisam ser assertivas e sinceras, num contexto em que as vulnerabilidades são aceitas. 

Cultura da coragem x Cultura do perfeccionismo

Em seus estudos, Brown identificou que a falta de comunicação clara cria uma cultura tóxica, em que o desrespeito, a desvalorização das pessoas e a falta de integridade podem prevalecer.

Esse seria, inclusive, um dos principais motivos da atual onda de demissões no mercado de trabalho, que recebeu o nome de Great Resignation.

Para a professora, o caminho para uma transformação organizacional rumo a uma cultura de coragem está na valorização das conexões humanas. 

“Se não tivermos um sentimento de carinho por alguém que lideramos ou não nos sentirmos conectados a essa pessoa, há duas opções: desenvolver o carinho e a conexão ou dar lugar para um líder que seja mais adequado”, afirma Brown no livro “A Coragem para Liderar”. 

Ela acredita que líderes que comandam à base do medo e da vergonha são ultrapassados e que não há vergonha em liderar com o coração. Para que a inovação possa florescer, é importante oferecer um ambiente em que erros e fracassos sejam tolerados. Além disso, o perfeccionismo não pode se sobrepor ao desenvolvimento.

“Faço todo esse trabalho de liderança em organizações onde as pessoas não conseguem esse relacionamento e constroem intencionalmente culturas perfeccionistas. E então eles dizem: ‘Não há inovação ou criatividade. O que está acontecendo?’ Bem, a vergonha mata a criatividade e a inovação. O perfeccionismo é um mecanismo de defesa contra a vergonha. Se pareço perfeita, posso evitar ou minimizar a vergonha, o julgamento e a culpa”, explica Brown em entrevista à apresentadora Oprah Winfrey.

Para o desenvolvimento de uma cultura de engajamento sincero, o ponto de partida é, novamente, a aceitação da vulnerabilidade. 

“Temos a responsabilidade de nos expor, de admitir nossas emoções no trabalho. Líderes corajosos não se calam diante de coisas difíceis. Nosso trabalho é escavar o não dito. E isso requer coragem e vulnerabilidade”, diz ela no documentário The Call to Courage, disponível na Netflix. 


Porque plano de saúde já não é mais suficiente.

Artigos Relacionados

Confiança no trabalho

Felicidade no Trabalho

Como ser mais confiante no trabalho e na vida

01/08/2022 • 6 min de leitura

Hora certa para mudar de carreira

Felicidade no Trabalho

Como saber a hora certa para uma transição de carreira

19/07/2022 • 6 min de leitura

Dois crachás com o rosto do personagem Mark Scout, de Severance, sobre um fundo laranja

Felicidade no Trabalho

O que a série ‘Severance’ ensina sobre work-life balance

15/07/2022 • 7 min de leitura

Duas mãos segurando balões de mensagem do WhatsApp

Felicidade no Trabalho

Como usar Whatsapp Business para ter mais saúde no trabalho

30/06/2022 • 7 min de leitura