Assine nossa newsletter

Obesidade está em ritmo de crescimento no Brasil; como preveni-la?

Tendência é reflexo de hábitos pouco saudáveis, como a ingestão de ultraprocessados; entenda que fazer para evitar o ganho de peso.

Ilustração mostra pessoa em balança

Uma projeção feita pela Federação Mundial de Obesidade apontou que 30% da população brasileira terá obesidade em 2030. Hoje, esse índice é de 21%. 

A previsão é um reflexo de hábitos pouco saudáveis. Segundo a pesquisa Vigitel, do Ministério da Saúde, só 22,5% dos brasileiros seguem a recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) de comer pelo menos 400 g de frutas e hortaliças todos os dias. 

Além disso, 18,2% dos brasileiros consomem cinco ou mais grupos de alimentos ultraprocessados, e 14% ingerem refrigerantes cinco ou mais vezes por semana.

Para completar, tem caído a frequência de consumo regular de feijão no país. A taxa de adultos que dizem comer feijão em ao menos cinco dias por semana caiu de 66,8%, em 2007, para 58,3% em 2020.

Os níveis de prática de atividade física também estão aquém do ideal  –48,2% da população não pratica quantidade suficiente para sair do sedentarismo, e 66% passam, no mínimo, três horas do tempo livre diante da televisão, do computador, do tablet ou do celular.

“Esse contexto de atividade física insuficiente e consumo alimentar inadequado, com um amplo acesso a comidas ultraprocessadas, contribui para o aumento da obesidade no Brasil”, aponta a nutricionista Priscila Giacomo Fassini, da Comunidade de Saúde da Alice.

Ela ressalta que a obesidade é fruto da interação entre fatores genéticos, ambientais e comportamentais. Por isso mesmo, a prevenção e o tratamento devem ser multidisciplinares. 

Como prevenir a obesidade

O cuidado deve começar cedo. É importante que os hábitos saudáveis estejam presentes na infância para que perdurem na adolescência e na vida adulta. 

“É importante limitar o ganho de peso por meio de hábitos alimentares, de estilo de vida saudável e da prática de atividade física. Estudos mostraram que fatores genéticos predispõem os indivíduos à obesidade, mas essa suscetibilidade pode ser atenuada por escolhas de vida mais equilibradas”, diz Priscila Fassini. 

Dicas práticas 

  • Prefira alimentos integrais, frutas, legumes, verduras, gorduras e proteínas de boa qualidade (como azeite e carnes magras)
  • Coma de forma mindful, prestando atenção aos alimentos, sem se distrair com telas 
  • Dê preferência à preparação e ao consumo dos alimentos em casa, para escolher bons ingredientes e evitar porções grandes em restaurantes 
  • Evite bebidas açucaradas e alcoólicas; prefira água
  • Evite adquirir alimentos ultraprocessados, carnes gordurosas e processadas, doces e grãos refinados
  • Reconheça sinais de fome e saciedade 
  • Mantenha-se em movimento e aumente seu nível de atividade física de acordo com o aconselhamento de um(a) preparador(a) físico(a)
  • Estabeleça uma meta de cada vez
  • Limite o tempo de tela e o tempo em que fica sentado. Faça pequenas pausas ativas ao longo do dia 
  • Procure ter noites reparadoras de sono e reduzir seu nível de estresse –e não desconte o cansaço e o nervosismo na comida

Como tratar a obesidade

Fuja das dietas radicais que prometem perda de peso rápido. Infelizmente, não há fórmula mágica para tratar a obesidade. 

A Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica) recomenda um tratamento que envolva alimentação, atividade física e modificação comportamental. 

E, para construir um novo estilo de vida, é essencial aliar individualidade, respeito e humanidade, segundo Priscila Fassini.

“A mudança de estilo de vida é a primeira estratégia a ser incentivada para o tratamento da obesidade, por se tratar de uma abordagem que promove transformações entre o indivíduo e a sua relação com o alimento, além da atividade física e de outros hábitos do estilo de vida. Ela também promove uma melhor manutenção do peso a longo prazo, quando realizada da maneira adequada e com acompanhamento profissional.”

A construção de novos hábitos demanda tempo e dedicação. O desafio é identificar os gatilhos que se tornam barreiras para alcançar objetivos, sejam eles pequenos ou grandes, assim como entender os insights que ajudam a criar estratégias de resiliência para enfrentar essas barreiras.

Os 6 estágios de motivação para a mudança de comportamento

Tratamentos medicamentosos devem ser discutidos e prescritos por profissionais da saúde, assim como a cirurgia bariátrica, indicada para casos graves.  

Perda de peso saudável

O emagrecimento saudável envolve a perda de 5% a 10% do peso ao longo de seis meses. 

Um dos grandes desafios depois é como manter o peso, que envolve seguir as recomendações práticas já listadas acima. 

“Uma necessidade ainda não atendida no tratamento da obesidade é evitar a recidiva de peso a longo prazo, visto que, em geral, 80% dos pacientes recuperam o peso perdido após a intervenção dietoterápica. A recuperação do peso é esperada, especialmente quando o tratamento é descontinuado”, afirma Fassini.

Como a obesidade é identificada

O  IMC (Índice de Massa Corporal) é o parâmetro adotado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) para classificar o peso das pessoas.

Ele é calculado dividindo o peso pela altura elevada ao quadrado. Basta você multiplicar sua altura por ela mesma e depois dividir seu peso pelo resultado da conta.

Um exemplo: se a pessoa tem 1,70 m e 80 kg, vai multiplicar 1,70 x 1,70 = 2,89. E depois dividir o peso por esse valor: 80 / 2,89 = 27

As classificações de acordo com o IMC são:

Peso considerado normal: IMC entre 18,5 e 24,9

Sobrepeso: IMC entre 25 e 29,9

Obesidade: IMC igual ou maior a 30 

Dentro dessa categoria de obesidade, ainda há as seguintes classificações: 

Grau 1: pessoas com IMC entre 30 e 34,9

Grau 2: de 35 a 39,9 

Grau 3: IMC igual ou acima de 40

Fassini, porém, faz um alerta sobre o uso exclusivo do IMC no diagnóstico. “Esse critério é inadequado para diagnosticar a obesidade com precisão, uma vez que ele não distingue a composição corporal e a distribuição da gordura corporal do indivíduo, que é um determinante do risco metabólico”, afirma.

A alternativa para ter uma avaliação mais assertiva do quadro é utilizar técnicas para a avaliação da composição corporal de acordo com a especificidade de cada indivíduo.

Riscos da obesidade 

O IMC elevado é reconhecido como um importante fator de risco para doenças cardiovasculares e renais, diabetes, alguns cânceres e distúrbios musculoesqueléticos, dentre outras, segundo Fassini.

Além disso, estudos já identificaram relação entre o aumento do IMC e alta taxa de mortalidade em pessoas com IMC igual ou superior a 25.   


Porque plano de saúde já não é mais suficiente.

Artigos Relacionados

Ilustração destaca o pico de um pato com o formato do espéculo usado no exame do Papanicolau

Corpo

Com qual frequência deve-se fazer o exame Papanicolau?

10/08/2022 • 10 min de leitura

Ilustração destaca um foguete entre planetas e astros, simbolizando o óvulo na saída do ovário.

Corpo

Ciclo menstrual: o que é e como calcular?

10/08/2022 • 14 min de leitura

Ilustração mostra pessoa escalando montanha

Corpo

Esportes de alto impacto e treinos vigorosos: quais cuidados tomar?

08/08/2022 • 9 min de leitura

Ilustração de braço com relógio que mostra imagem do coração

Corpo

O que é treino HIIT e para quem ele é indicado?

29/07/2022 • 9 min de leitura